close

Os muitos significados da palavra “valor” nos negócios

Professores da Fundação Dom Cabral discorrem em artigo sobre os vários aspectos em torno da palavra no mundo dos negócios

palavra valor © - Shutterstock
por Redação 24 de fevereiro, 2023
  • Desenvolvimento de médias empresas Mais informações
    Desenvolvimento de médias empresas
  • Estratégia e governança Mais informações
    Estratégia e governança

Desde a antiguidade, a palavra “valor” vem ganhando múltiplos significados e é importante entendê-la no atual mundo dos negócios. Esse é o tema aprofundado em artigo pelos professores da Fundação Dom Cabral, Fabian Salum e Karina Coleta. O texto é fruto de quase dez anos de pesquisas sobre o tema e se destina ao mundo acadêmico voltado aos negócios.

O artigo começa abordando a expressão “criar valor”, em voga nos discursos empresariais. “Cada vez mais pretendido pelas instituições e pelos CEOs, o ato de criar valor tem um papel central tanto na análise de um projeto de negócio quanto nas escolhas sociais”. Entretanto, continua o artigo, o núcleo dessa expressão é a palavra “valor”, cuja interpretação nem sempre pode ser dada como garantida e alinhada entre os atores do debate. 

O texto continua afirmando que “diante da pergunta: ‘valor para quem?’, as respostas certamente irão variar conforme a perspectiva. A clareza quanto ao que é valor facilita a compreensão das ações dela derivadas, e que fazem parte do vocabulário de negócios: ofertar, propor, criar, capturar e até destruir valor. Quando se fala em estratégia e modelos de negócios, a questão do valor é o fundamento dessas ações”.

Mas afinal, o que é valor?
A pergunta sobre valor é antiga. Na língua grega, valor é ‘axía’ – que dá origem à axiologia, estudo dos valores – sua definição é a apreciação de algo realizado. O valor, portanto, está ligado ao reconhecimento e mérito das coisas e ações. “Também pode se referir ao domínio econômico para indicar preço”, pontuaram os autores.

© – Shutterstock

Séculos depois, a visão de Max Weber (1864-1920) avança no sentido de se pensar o valor em seu âmbito social e nas interações sociais. “O primeiro ponto defendido pelos autores é a definição clara de valor ao se pensar o estudo sociológico, seja um valor objetivo ou subjetivo (eliminável). Contudo, é importante ressaltar que, para Weber, o valor é parte do processo de tomada de decisão”, defenderam.

Outro ponto destacado sobre Weber traz para o debate sociológico, que é o papel da moral e dos valores na orientação das condutas individuais. “As relações coletivas impactam diretamente as condutas individuais, atribuindo um sentido e valor, direcionando a ação social. Ou seja, os valores e ações são construídos socialmente através dessas interações e relações sociais”.

Multilateralismo do valor

A realização do valor, mostrou o artigo, não é unilateral e está aberta a múltiplos agentes, como direcionamento (fonte e alvo), julgamento (atribuição de valor) e mensuração apropriação do valor. 

“Ao falarmos de criação de valor, é preciso articular o alvo do valor e aquele que o produz e pretende captar algum benefício dessa produção. Assim, em vez de abordar o tema de forma genérica, é necessário indicar a fonte e para quem o valor é criado. A fonte entra com o potencial de valor e o alvo com sua capacidade de perceber o valor. Consequentemente, as partes envolvidas assumem dois tipos de julgamento. O primeiro é o de quem apresenta o valor. Isto é, o ofertante julga que aquilo que propõe seja valor para a outra parte. O segundo é o julgamento daquele que percebe a oferta de fato como valor.”

Ambos os julgamentos se materializam em ações, segundo os articulistas. Por parte da empresa, tem o ato de propor/ofertar valor e esse movimento começa com um valor potencial que representa a hipótese da empresa sobre o que o consumidor valoriza. 

Já o julgamento do consumidor é materializado pelo engajamento na troca, propriamente dita. Isso reforça que é o encontro que permite a relação entre ambos no sentido de atribuição de valor. “Assim, o valor não reside no alvo nem apenas na fonte, mas sim no encontro deles”, avaliaram os autores.

Criação de valor é um sistema dinâmico

© – Shutterstock

As relações dialéticas (entre organização e sociedade) são as tônicas para a compreensão da construção de valor na atualidade, segundo eles. Assim, a criação de valor é um sistema dinâmico, e não estático, e sustenta o crescimento ao longo do tempo, promovendo o giro em ciclos virtuosos.

O movimento, explica o artigo, tem início no quadrante Agregar Valor, que representa a produção de produtos, serviços e soluções que a empresa oferta de acordo com o que o consumidor valoriza e/ou necessita. A troca, a percepção e as expectativas por parte do consumidor acontecem no quadrante de Criar Valor, também conhecido como Gerar Valor, que sustenta o crescimento do ciclo ao longo do tempo. Nesse momento, ocorre o engajamento e a interação entre as partes, fonte e alvo. 

Já na Captura de Valor ocorre a monetização, realizada pela troca de bens e serviços da fonte ou empresa que disponibiliza a oferta de valor. Por último, o Valor Distribuído, envolve o reconhecimento dos benefícios tangíveis e intangíveis dos produtos e/ou serviços. 

Esses quatro aspectos criam o que os autores chamaram de ciclo virtuoso e recursivo, e que deve se manter dinâmico e constante, a fim de produzir novas ofertas de valor. “Mas para onde caminha a nova face de valor nas organizações? Mediante a contextualização apresentada sobre o conceito de valor, podemos afirmar que o valor não reside no alvo, nem apenas na fonte, mas sim no encontro ou na interação do julgamento. Da colaboração e diálogo de ambos os lados – empresa e consumidor”, defenderam

Ciclos virtuosos

Os professores entendem que, por parte da empresa, há o ato de propor valor por meio da oferta relevante e valorizada pelo consumidor. Para o consumidor, o julgamento é materializado pelo engajamento da troca. Ou seja, é o encontro que permite a relação entre ambos, no sentido de atribuição de valor e observação do valor realizado. 

A partir desse momento, o valor capturado se concretiza por meio da aquisição (monetização), enquanto o valor distribuído vem pelo reconhecimento da dinâmica que gera o benefício e retroalimenta a lógica do ciclo. “Dessa maneira, os ciclos virtuosos podem ser tangibilizados para contemplar as novas faces de valor para as organizações”, finalizou o artigo.




Os assuntos mais relevantes diretamente no seu e-mail

Inscreva-se na nossa newsletter