close

Energia solar avança no Brasil

País atinge a marca de 39 GW instalados, o que eleva a produção a 17% da potência na matriz elétrica nacional; nova planta de 531 MW é inaugurada no RN

energia solar © - Shutterstock
por Redação 17 de maio, 2024
  • Impacto positivo e legados sustentáveis Mais informações
    Impacto positivo e legados sustentáveis

A energia solar está em expansão e começa a se consolidar como uma fonte relevante de eletricidade no Brasil. Com dois gigawatts (GW) de energia solar adicionados este ano, o Brasil acaba de ultrapassar a marca de 39 GW de potência instalada da fonte fotovoltaica, desde 2012. A marca soma a capacidade das usinas de grande porte e de geração distribuída (telhados, fachadas e pequenos terrenos), e eleva a fonte solar a 17% da potência instalada da matriz elétrica do país, segundo dados da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar).

Segundo matéria publicada no site da CNN, com base na Absolar, desde 2012 a fonte solar já proporcionou ao Brasil, ao menos, R$ 189,3 bilhões em investimentos. A atividade também gerou mais de R$ 51,6 bilhões em arrecadação aos cofres públicos e criou cerca de 1,1 milhão de empregos. Os investimentos em energia solar evitaram a emissão de 47,7 milhões de toneladas de CO2 na geração de eletricidade.

Nova planta tem 531 MW de potência

energia solar
Usina solar Mendubim (Foto: Divulgação)

A maior novidade no setor de energia solar no Brasil foi a inauguração, em março, da usina solar Mendubim, no município de Açu, Rio Grande do Norte. Segundo matéria publicada no Correio da Manhã, a usina tem capacidade de 531 MW e é a sexta maior do Brasil. Esta potência é suficiente para abastecer uma cidade de 600 mil habitantes. A nova usina nasce de uma parceria entre as norueguesas Hydro Rain, braço de investimentos do Grupo Hydro, Equinor e Scatec.

Localizada no Pará, a Alunorte – segunda maior refinaria do mundo de alumina, matéria-prima do alumínio, muito usado nos painéis de energia solar – será o destino de 60% da energia produzida na Mendubim. O restante será vendido no mercado livre de energia. A construção da planta contou com benefícios fiscais, inclusive em relação à tributação de recursos estrangeiros, contrapartidas sociais e condições especiais de financiamento.

Setor gera reflexo social

Segundo Rodrigo Sauaia, CEO da Absolar, a fonte solar é uma alavanca para o desenvolvimento social, econômico e ambiental do país. Ele cita, por exemplo, o uso da tecnologia nas habitações populares do programa Minha Casa, Minha Vida, além de escolas, hospitais, postos de saúde, delegacias, bibliotecas, museus e parques.

“O avanço da energia solar fortalece a sustentabilidade e amplia o protagonismo internacional do Brasil, além de aliviar o orçamento das famílias e reforçar a competitividade dos setores produtivos brasileiros”, defendeu Sauaia.

Leia também:

Brasil já tem uma “Itaipu” em geração de energia solar

Cenário mais favorável em 2024

energia solar
© – Shutterstock

Na área de geração distribuída, segundo o site da empresa de energia solar Maya Energy, o setor está se preparando para um cenário mais favorável em 2024 no Brasil. Com a combinação de equipamentos mais baratos, juros menores e aumentos nas tarifas de energia tradicional, a geração distribuída de atrai condições para se beneficiar nos próximos anos. No entanto, ainda existem desafios a serem superados.

Segundo a Maya, embora os equipamentos estejam mais acessíveis, ainda há dificuldades para obter financiamento adequado. Outro desafio importante é a regulamentação sobre a inversão de fluxo, que ocorre quando a quantidade de energia gerada por um sistema excede a demanda da unidade consumidora. Nesse caso, o excedente de energia seria devolvido à rede da concessionária local, o que é alvo de discussão em termos de regulação.

No mundo, são 1,5 TW instalados

Em termos mundiais, segundo matéria publicada no site Canal Solar, baseada em relatório da Wood Mackenzie, “a energia solar já não é mais uma tecnologia de energia renovável em expansão, e sim, um ‘pontapé’ para a transição energética no mundo”. Em 2023, a energia solar chegou a 1,5 TW instalados mundialmente e outros 3 TW de capacidade estão previstos para os próximos dez anos.

Mas, apesar das boas perspectivas, segundo o relatório da Wood Mackenzie, neste ano, deverá haver desaceleração no crescimento em vários mercados importantes. Em 2024, a energia solar evoluirá de um setor em rápido desenvolvimento para uma indústria consolidada, marcando uma transição para um período de crescimento mais moderado.

Leia também:

Brasil atrai recursos para transição energética

O crescimento médio anual do setor de energia solar de 2019 a 2023 foi de 28%, incluindo um pico de crescimento de 56% em 2023. Porém, de 2024 a 2028 o crescimento médio anual será estável, incluindo alguns anos com reduções.




Os assuntos mais relevantes diretamente no seu e-mail

Inscreva-se na nossa newsletter