close

Dia Mundial da Saúde: como as corporações lidam com a saúde dos colaboradores?

Pesquisa mostra que as empresas precisam estar mais preocupadas com o tema, e isto está em linha com os preceitos ESG

dia mundial da saude © - Shutterstock
por Redação abril 5, 2023
  • Impacto positivo e legados sustentáveis Mais informações
    Impacto positivo e legados sustentáveis

Neste Dia Mundial da Saúde (07.04), é desafiador pensar em como as pessoas estão física e mentalmente após passarmos por uma pandemia, pela consolidação do trabalho híbrido/remoto, por crises econômicas, políticas, morais e de costumes. De 2020 para cá, muita coisa mudou, inclusive o mundo do trabalho, que enfrentou fenômenos como o great resignation, o quiet quitting e o mais recente layoff – em sinalizações claras do descontentamento da força de trabalho com as posturas corporativas. Diante disso, as corporações, agora, têm sido cada vez mais provocadas a apoiar a saúde física e mental dos colaboradores. Mas afinal, o que elas têm feito a respeito? 

Uma pesquisa realizada pela Pipo Saúde, corretora de benefícios corporativos de saúde, traz algumas respostas.

Com dados de 437 empresas, de 23 segmentos de negócios, como tecnologia e mídia, serviços, educação, saúde e financeiro, foi identificado que poucas empresas (17,8%) oferecem pacote completo de benefícios aos funcionários. Esse pacote inclui: plano de saúde, plano odontológico, seguro de vida, bem-estar físico e bem-estar mental.

Por outro lado, a grande maioria (91%), já oferece pelo menos dois benefícios de saúde, e fica evidente a diferença entre as empresas maiores, com mais de 500 funcionários, e as menores. Entre as primeiras, mais de 65% oferecem o pacote completo de benefícios para a saúde, enquanto no segundo grupo o índice é de 41,2%.

ESG e o Dia Mundial da Saúde

dia mundial da saude
© – Shutterstock

Desde 07 de abril de 1948, quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) foi fundada, os países-membros da ONU comemoram a data como sendo o Dia Mundial da Saúde. Neste ano, do 75º aniversário, os temas-foco da OMS envolvem saúde universal (para todos), equidade e saúde mental, além de ações mais direcionadas como atenção primária e doenças não comunicáveis, mostrando que a temática ESG está totalmente ligada ao avanço da saúde.

Na pesquisa da Pipo Saúde, foi pontuado que as pessoas querem que a organização cuide delas e que as ajudem a ter mais qualidade de vida tanto dentro, quanto fora do trabalho. Porém, ela contrasta que apenas 60% das organizações oferecem planos sem contribuição por parte do colaborador e contextualiza: “as empresas, no mundo atual, precisam estar alinhadas aos fatores ESG e entender que são as pessoas que ali trabalham que fazem os negócios acontecerem”.

Na defesa do relatório, foi escrito que “é hora de o ambiente de trabalho ser um lugar onde os funcionários encontram paixão, significado e motivação, enquanto são respeitados em todos os níveis”. A afirmação é concluída com a defesa de que os pacotes de benefícios oferecidos pela empresa são cada vez mais relevante.

Plano odontológico ou seguro de vida

O plano odontológico é de importância máxima na visão de 56% dos profissionais de RH. A vantagem, segundo eles, é que o custo desse benefício é baixo para a empresa, que pode colocá-lo como um diferencial no momento de atrair e reter talentos. Das consultadas na pesquisa, 68,2% das empresas têm plano odontológico nos seus pacotes de benefícios.

Incluir seguro de vida no pacote de benefícios também é bem interessante, já que representa um baixo impacto no orçamento da companhia e, ao mesmo tempo, demonstra preocupação com a segurança do colaborador. Para 58% dos profissionais que atuam na área de recursos humanos, seguro de vida é um benefício com nota máxima de importância.

Saúde mental preocupa

© – Shutterstock

Neste período pós-pandêmico, os profissionais de RH confirmam o quanto é importante a empresa oferecer benefício de saúde mental: 75% deles colocam como sendo o mais importante entre todos os benefícios neste momento, diante do crescente número de pessoas que sofrem de ansiedade e depressão, além de burnout

Os números revelam que o benefício de bem-estar mental está mais presente nas empresas de maior porte (42,8%) do que naquelas com menos de 500 colaboradores (28,3%).

Segundo uma outra pesquisa, da Global Learner Survey, desenvolvida em 2022 pelo grupo de educação Pearson, 71% – entre 1001 brasileiros entrevistados – defendem que as empresas deveriam oferecer serviços gratuitos de saúde mental. Ou seja: uma empresa pode ser a escolhida por um talento pelo pacote de benefícios que ela oferece, ou simplesmente ser descartada só por não oferecer um pacote atraente.




Os assuntos mais relevantes diretamente no seu e-mail

Inscreva-se na nossa newsletter